sábado, 6 de novembro de 2010

Sem Lei, Nora Roberts


"Não sabia porquê, mas o instinto dizia-lhe para proteger aquela mulher!

 
O território do Arizona era um lugar perigoso, contudo, Jake Redman estava bem preparado para viver no Oeste. Sarah Conway era diferente dele: uma mulher do Este, decidia a instalar-se naquele local. Então, Jake descobriu com uma certa angústia que adoptara o papel de anjo da guarda dela. E ela ficou ainda mais angustiada ao aperceber-se que a atitude de Jake lhe agradava muito.
"


Edição/Reimpressão: 2009
Editora: Harlequin
Páginas: 350
P.V.P.: 4.90 € 


Pela primeira vez encarei um livro de Nora Roberts com algum cepticismo. Um retrato da América colonial, com as suas histórias de cowboys e a guerra entre os colonos e os índios. Imaginava que tipo de paixões conseguiria desencatar Roberts no velho Oeste. 

Mas assim que comecei a enredar-me na leitura, ao conhecer a jovem de boas maneiras, de aparência frágil, mas de grande coragem, e o pistoleiro misterioso e letal, que me rendi por completo ao romance. 

Confrontada pela inesperada morte do pai, quando finalmente o ia reencontrar após tantos anos de distância, Sarah Conway viu-se forçada perante as circunstâncias com que se deparou, a confiar no pistoleiro de fama duvidosa e de origem apache. Contra todas as expectativas, incluindo as suas, lutou para se adaptar àquele lugar que sabia ter feito o seu pai feliz. 

E foi de alguma forma emocionante ver todas as mudanças a sucederem; a forma como a sua personalidade determinada a fez lutar por aquilo que acreditava; a forma como algumas das suas crenças se desvaneceram perante a violência e crueldade com que se deparara, o que a ajudaram de alguma forma a adaptar-se a um mundo completamente diferente da luxuosa e civilizada Filadélfia.

Apenas tive pena que a história de Jake Redman não tivesse sido explorada de forma mais profunda, contudo, este é um livro de bolso logo não poderia esperar muito mais. Mas, na minha opinião pessoal, embora este seja um livro pequeno, prendeu-me e emocionou-me mais do que alguns dos seus livros editados em formato grande.

Este é o terceiro volume da Trilogia dos Arquitectos, e embora eu tenha começado efectivamente pelo último, não quero deixar de ler os anteriores. São livros muito fáceis de ler, devido ao seu tamanho, e o preço é bastante apelativo.