quinta-feira, 20 de maio de 2010

P.S. - Eu Amo-te, Cecelia Ahern

 "Quase todas as noites Holly e Gerry tinham a mesma discussão - qual dos dois se ia levantar da cama e voltar tacteando pateticamente o caminho de regresso ao apetecível leito? Comprar um candeeiro de mesa-de-cabeceira parecia não fazer parte dos planos, e assim o episódio da luz repetia-se a cada noite, num rito conjugal de pendor cómico a que nenhum desejava pôr termo. Agora, ao recordar esses momentos de pura felicidade, Holly sentia-se perdida sem Gerry. Simplesmente não sabia viver sem ele. Mas ele sabia-o, conhecia-a demasiado bem para a deixar no mundo sozinha e sem rumo. Por isso, imaginou uma forma de perpetuar ainda por algum tempo a sua presença junto da mulher, incentivando-a a viver de novo. Mas como se sobrevive à perda de um grande amor? Holly ter-nos-ia respondido: não se sobrevive! Mas Holly sobreviveu! "
Edição/reimpressão: 2004
Páginas: 376
Editor: Editorial Presença
Colecção: Champanhe e Morangos
P.V.P.: €14,96 
Um livro bastante emotivo. Com ele ri e chorei. Bem doseado com bom humor assim como com tristeza, numa narrativa em que muitos leitores se podem identificar com Holly, a personagem principal - quem é que não perdeu alguém de quem gostava muito? - e que nos mostra que mesmo perante a adversidade, podemos lutar para enfrentar os obstáculos e sobreviver. Holly sobreviveu, com muita ajuda por parte de Gerry que lhe deixou mensagens, uma para cada mês, que em muito contribuíram para que Holly desse um rumo à sua vida, que ficara virada do avesso.

Em boa verdade preferi o livro ao filme. Parece até que este nem faz grande sentido, e o facto de estar muito - mas mesmo muito - diferente do livro levou-me a desgostar consideravelmente. Bem sei que as adaptações para o cinema em muito altera a história original, só nunca pensei que fosse tanto. Mas claro que o filme fez-me associar um rosto às personagens, tornando a minha leitura muito mais realista.
Este livro foi um bom ponto de partida para conhecer Cecelia Ahern tendo  ficado bastante curiosa relativamente aos seus outros livros.    
Por fim, gostaria de realçar no fim, a última mensagem que Gerry deixou a Holly, que me levou lágrimas aos olhos.