sábado, 2 de maio de 2009

Nómada, Stephenie Meyer

"Melanie Stryder recusa-se a desaparecer. O nosso Mundo foi invadido por um inimigo invisível. Os Humanos estão a ser transformados em hospedeiros destes invasores, com as suas mentes expurgadas, enquanto o corpo permanece igual e a vida prossegue sem qualquer mudança aparente. A maior parte da Humanidade não consegue resistir. Quando Melanie, um dos poucos Humanos "indomáveis", é capturada, ela tem a certeza de que chegou o fim. Nómada, a Alma invasora a quem o corpo de Melanie é entregue, foi avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladoras, excesso de sentidos, recordações demasiado presentes. Mas existe uma dificuldade com que Nómada não conta: o anterior dono do corpo combate a posse da sua mente. Nómada esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da resistência humana. Melanie inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada – Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Nómada começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão delatar. No momento em que um inimigo comum transforma Nómada e Melanie em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam."


De momento este é, para mim, o melhor livro de Stephenie Meyer. O tipo de narração mantém-se o mesmo da Saga Luz e Escuridão, sendo que é a personagem principal que conta a sua história... e a da hospedeira que se recusa a desaparecer. O tema é deveras original, e a autora explora bem os seus elementos, levando-nos sempre a questionar o que acontecerá a seguir, sem que o consigamos depreender de imediato.
Embora o grande volume do livro possa assustar de inicio, a sua leitura é de extrema facilidade, e em pouco mais de dois dias acabei o livro. A história prendeu-me logo desde o começo e foi com alguma pena que cheguei ao fim. Gostei da forma como a autora explorou as personagens, estando bem delineadas, contudo as relações poderiam ter sido mais exploradas; e gostei bastante do próprio tema do livro: o facto de o planeta Terra ter sido invadido e os corpos humanos servirem de hospedeiros a estes invasores. É interessante ver a luta interior entre Nómada e Melanie, a hospedeira, e a forma como a primeira vê-se forçada a alterar a sua perspectiva em relação aos humanos rebeldes, os quais ela deveria entregar.
No fim do livro, existe um sensação de recomeço, o qual me deixou triste por estar efectivamente no fim.



Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 840
Editor: Edições Gailivro
P.V.P. € 19,90