domingo, 18 de janeiro de 2009

O Filho das Sombras, Juliet Marillier

“As florestas de Sevenwaters lançaram o seu feitiço sobre Liadan, que, tal como a mãe, Sorcha, herdou, além do dom da Visão, o talento de curar e penetrar no mundo espiritual. Os espíritos da floresta avisaram Liadan de que deve permanecer, para sempre, em Sevenwaters, se quer que as ilhas sagradas sejam reconquistdas aos Bretões, que as tomaram à força.

A Irlanda está em guerra. Atacantes assolam as suas costas – e uma nova fé ameaça a velha, dividindo o seu povo. Neste cenário perigoso um homem é temido, acima de todos os outros: o Homem Pintado granjeou uma reputação terrível como mercenário feroz e astuto e, com um espantoso bando, ataca aqui e ali com uma mão precisa, espalhando o terror por todo o lado e desaparecendo como por magia.

De regresso a casa, vinda de acompanhar a irmã, Liadan é capturada pelo Homem Pintado. Este revela ser um homem nada parecido com a lenda. Liadan sente-se atraída por ele, apesar da antiga profecia de maldição, mas poderá ela viver a sua vida e desafiar os espíritos, ou uma maldição cairá sobre Sevenwaters devido ao seu amor proibido?

História e fantasia, mito e magia, lenda e amor juntam-se nesta história fascinante. Imagens vívidas do nosso passado Celta tecem uma história de grande mistério e romance. O Filho das Sombras lança Juliet Marilier como um talento novo e extraordinário, seguindo-se ao seu notável primeiro livro A Filha da Floresta.”





“O Filho das Sombras” é o segundo volume da Trilogia de Sevenwaters, e na minha opinião, é o melhor romance de Juliet Marillier. Com alguns elementos do primeiro volume - “A Filha da Floresta” - este romance, narrado pela personagem principal, é único e prende-nos de uma forma que não conseguimos parar até chegar ao fim.
Ao contrário do primeiro volume, que encerra uma história mais fantasiosa, “O Filho das Sombras” mostra a realidade das alianças políticas, os casamentos arranjados, e amores impossíveis.
Liadan, uma princesa celta, dotada da Visão e da arte de curar, vê-se subitamente privada da sua vida, capturada pelo bando do Homem Pintado. Apesar da sua reputação de mercenário, Liadan mostra ser corajosa, não hesitando em desafia-lo, quando muitos se submeteriam à vontade dele. E aqui nasce uma improvável história de amor, mas que faz as delicias dos leitores. Liadan é um personagem forte, apesar de frágil, que para proteger quem ama, desafiará chefes, e ultrapassará o impossível, com uma fé inabalável.


Excerto do livro:

Não sei dizer o que me levou a dar o passo seguinte. Talvez fosse a hesitação na sia voz. Sabia o que lhe custava, falar assim. Talvez fosse a recordação do ar ele enquanto dormia. Só sabia, irresistivelmente, que, se não lhe tocasse, me desfaria em pedaços. Salta, gritou o vento. Salta. Fechei os olhos, movi-me na direcção dele, os meus braços rodearam-lhe a cintura, encostei a cabeça ao seu peito e descei correr as lágrimas. Pronto, disse a voz dentro de mim. Vês como foi fácil? Bran ficou muito quieto; e então os seus braços rodearam-me com muito cuidado, como se nunca tivessem feito aquilo antes e não tivesse a certeza de como continuar. Ficámos assim um bocado e o sentimento era tão bom, tão bom, como um regresso a casa depois de grandes sofrimentos. Não sabia a que ponto o desejava até ele me ter tocado. Não sabia, até o tocar, que ele era da altura ideial para me rodear confortavelmente os ombros. Para descansar a testa na cova do seu pescoço, onde o sangue pulsava por baixo da pele. Da altura perfeita.”


Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 464
Editor: Bertrand Editora
P.V.P. €18,95