sexta-feira, 24 de abril de 2009

Viagem Sem Regresso, Katy Gardner

" “A minha melhor amiga estava morta.
E a culpada era eu.”

Seis anos passaram sobre a morte de Gemma. Seis anos de dúvidas e angústias, durante os quais a vida de Esther foi um inferno permanente. Quando as duas amigas decidem fazer uma viagem juntas, nada faria prever que apenas uma delas regressaria. Esther era bela, sofisticada e destemida, Gemma o seu oposto. Ávidas de novas experiências, partem para a Índia em busca de aventura. O que elas ignoravam era que estavam prestes a entrar num mundo onde as regras sociais que lhes eram familiares não se aplicavam e que o tão almejado afastamento do mundo ocidental era afinal uma porta aberta para o que de mais sombrio traziam dentro de si. E foi rápida e inesperadamente que o sentimento que as unia foi posto à prova, levando-as a confrontar-se com ressentimentos e segredos antigos. Numa tentativa de descobrir toda a verdade e de se libertar dos fantasmas que ainda a atormentam, Esther tenta agora dar um sentido à tragédia que vitimou a sua melhor amiga e mudou irreversivelmente a sua vida. Seis anos passados sobre a morte de Gemma, Esther está de volta à Índia…"


Li este livro em três dias; ao início, com a curiosidade aguçada, e embora a certo ponto a história pecasse pela imprevisibilidade, ansiava por conhecer se o final que eu antevia na minha mente, o grande mistério que se adensara, se assemelhava ao final da história. A narrativa é ricamente descritiva quanto aos costumes indianos, as pessoas, os locais, levando-nos a sentir como se efectivamente estivéssemos a presenciar as cenas. A história é narrada na primeira pessoa, Esther, jovem e arrogante, atormentada por uma culpa terrível que carrega, mas que se esforça por esquecer, que conta a sua aventura pela Índia, acompanhada pela sua melhor amiga. Os laços que as unem são fortes, sugerindo que podem vencer todos os obstáculos. Mas eis que surge Coral, e todos os laços são postos à prova.
O que mais me cativou neste livro, foi a escrita de Gardner, bastante descritiva, sem que no entanto enveredasse pelo enfadonho, e a forma como mostra até que ponto as relações podem ser frágeis. Contudo, após as expectativas que criei para o final, fiquei imensamente desiludida. Julgo que esperava algo mais, talvez a emotividade e tensão sempre presentes no culminar de uma história, porque após todo o desespero pelo qual Esther passou, quando finalmente soube a verdade, aceitou tudo com uma brandura incompreensível. O desfecho foi algo abrupto e fiquei com a incómoda sensação que deveria ter havido algo mais.
Ainda assim, é uma leitura que recomendo, pois é rica na descrição cultura indiana, e para quem não queira uma leitura muito pesada, este é um livro que se lê num instante.



Edição/reimpressão: 2004
Páginas: 288
Editor: Edições Asa
P.V.P. € 14,00